Avisos

– Grupo de Jovens

As fichas já acabaram, mas contamos com as orações de todos pelo Retiro Effatha

– Reunião do T.L.C

– Romaria para Aparecida do Norte

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

– Semana de Evangelização


Equipe PasCom

São Pedro e São Paulo

Neste dia a Igreja celebra a santidade e vida dos apóstolos S. Pedro e S. Paulo. Estes que são considerados “os cabeça dos apóstolos” por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.

Pedro, que era chamado de Simão, era pescador, natural da Betsaida, irmão do Apóstolo André. Foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro.  Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no Dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como seu Senhor, Jesus Cristo.

Paulo, que antes da conversão era chamado Saulo, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada “aos pés de Gamaliel”, um dos grandes mestres da Lei na época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.

Converteu-se a fé cristã a caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério. Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a ser perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação.

São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

Equipe PasCom

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A devoção à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro começou a se propagada por meados de 1870, trata- se de uma pintura do século XIII de estilo bizantino.

De semblante grave e melancólico, Nossa Senhora traz no braço esquerdo o Menino Jesus, ao qual o Arcanjo Gabriel apresenta quatro cravos e uma cruz. Ela é a senhora da morte e a rainha da vida, o Auxílio dos cristãos, o socorro seguro e certo dos que a invocam com amor filial.

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, rogai por nós!

Natividade de São João Batista

Ontem a igreja celebrou a solenidade do nascimento de São João Batista.

João Batista nasceu seis meses antes de Jesus, seu primo, segundo as escrituras foi um anjo que revelou se nome ao seu pai, Zacarias,  que há muito tempo rezava por um filho junto com sua esposa.

O que o tornou tão importante para a história do Cristianismo é que, além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho do Senhor com pregações conclamando os fiéis à mudança de vida e ao batismo de penitência (por isso “Batista”). Como nos ensinam as Sagradas Escirturas: “Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo” (Mateus 3,11).

São João, ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, a fim de que somente o Messias aparecesse. Grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados, ele foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabando decapitado devido ao ódio de Herodíades, que fora esposa do irmão deste [Herodes], com a qual este vivia pecaminosamente.

O grande santo morreu na santidade e reconhecido pelo próprio Cristo: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João , o Batista” (Mateus 11,11).

Equipe PasCom

Liturgia (Lucas 1,57-66.80)

57Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. 58Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. 59No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. 60A mãe, porém, disse: “Não! Ele vai chamar-se João”.
61Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” 62Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. 63Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome”. E todos ficaram admirados. 64No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus.65Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judeia. 66E todos os que ouviam a notícia ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. 80E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.

Equipe PasCom

São Luis Gonzaga

Nascido no ano de 1568 na Corte de Castiglione, São Luís Gonzaga recebeu a formação cristã por parte de sua mãe, já que seu pai preferia que ele fosse príncipe. Apesar de sua família ter muitas posses, Luís – desde cedo – deixou-se possuir pelo amor de Deus.

Deixar-se amar por Deus é fonte de santidade.

Aos dez anos dava testemunho do Evangelho e consagrou-se a Nossa Senhora. Descobriu seu chamado à vida religiosa, decidiu por ser padre. Seu pai não contente o levava a festas mundanas, na tentativa de fazê-lo desistir da vocação.

Ele entrou para a Companhia de Jesus onde viveu durante seis anos. Com pouco mais de vinte, faleceu vitima da peste que havia se espalhado por Roma.

São Luis Gonzaga abandonou a riqueza que tinha para desfrutar do amor de Deus, tão jovem e tão sábio, ele sabia que sua vocação era evangelizar. Ele é o Patrono da Juventude, e que a seu exemplo consigamos consagrar a Maria nossa juventude.

“No entardecer da nossa vida, seremos julgados segundo o amor”

São Luís Gonzaga, rogai por nós! 

Agradecimentos

Agradecemos a todos que colaboraram para a Festa Junina 2012 acontecer, de modo especial a todas as pastorais e movimentos da nossa Paróquia. Ao apoio e doações  do Supermercado Faixa Azul, Casa de Carnes Santa Emilia e Casa de Carnes Turin e também a colaboração em doações de toda a comunidade.

Que Deus possa abençoar a vida de cada um.

Equipe PasCom

Liturgia

“O encontro com a Palavra é um dom de Deus, mas a resposta a ela depende da vontade e do interesse de cada um.”

Naquele tempo,
26Jesus disse à multidão: “O Reino de Deus é como quando alguém espalha a semente na terra.
27Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece.
28A terra, por si mesma, produz o fruto: primeiro aparecem as folhas, depois vem a espiga e, por fim, os grãos que enchem a espiga.
29Quando as espigas estão maduras, o homem mete logo a foice, porque o tempo da colheita chegou”.
30E Jesus continuou: “Com que mais poderemos comparar o Reino de Deus? Que parábola usaremos para representá-lo?
31O Reino de Deus é como um grão de mostarda que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes da terra.
32Quando é semeado, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças, e estende ramos tão grandes, que os pássaros do céu podem abrigar-se à sua sombra”.
33Jesus anunciava a Palavra usando muitas parábolas como estas, conforme eles podiam compreender. 34E só lhes falava por meio de parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, explicava tudo.

– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.
Equipe PasCom

Festa Junina Paróquia de Todos os Santos

Evento será realizado nos dias 9, 10, 16 e 17 de junho ás 18hrs na Comunidade de Santa Emilia

A tradicional festa junina da Paróquia de Todos os Santos, localizada na Rua Capri, 53 – Santa Emilia em Embu das Artes teve o primeiro final de semana de sucesso. Com a colaboração das pastorais e movimentos juntamente com a comissão de festa na preparação de todos os detalhes para tudo acontecer da melhor forma, durante todo o dia na montagem das barracas e ornamentação por conta dos jovens da paróquia, preparação das comidas típicas com a pastoral familiar e colaboradores. Contou também com apoio e doação do Supermercado Faixa Azul, Casa de Carnes Santa Emilia e Casa de Carnes Turin e também a colaboração em doações de toda a comunidade.

A festa teve inicio ás 18hrs com músicas animadas, comidas típicas com o famoso chá de amendoim, apresentação no sábado da quadrilha dos coroinhas e marianinhas. Além disso, a pastoral também cuida da “cadeia” da festa – brincadeira tradicional em quermesses e também do correio elegante para enviar anônimo ou não uma mensagem de carinho para outra pessoa, neste ano o diferencial foi à possibilidade de dedicar músicas.

No domingo, as inovações tecnológicas estiveram presentes na festa, com a preparação de um telão o público teve a possibilidade de relembrar momentos vivenciados pela igreja com a exibição do vídeo do Movimento do TLC (Treinamento de liderança Cristã), diversas fotos de missas festivas, confraternizações, dentre outras coisas.

Nesta semana o grande diferencial será a quadrilha dos jovens, sempre com uma proposta diferenciada e animada, contando com a participação de toda a juventude da paróquia, a apresentação será no último dia de festa, domingo, 16 por volta das 20hrs.

Santo Antônio

Neste dia, celebramos a memória do popular santo – doutor da Igreja – que nasceu em Lisboa, em 1195, e morreu nas vizinhanças da cidade de Pádua, na Itália, em 1231, por isso é conhecido como Santo Antônio de Lisboa ou de Pádua. O nome de batismo dele era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo.

Ainda jovem pertenceu à Ordem dos Cônegos Regulares, tanto que pôde estudar Filosofia e Teologia, em Coimbra, até ser ordenado sacerdote. Não encontrou dificuldade nos estudos, porque era de inteligência e memória formidáveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade. Aconteceu que em Portugal, onde estava, Antônio conheceu a família dos Franciscanos, que não só o encantou pelo testemunho dos mártires em Marrocos, como também o arrastou para a vida itinerante na santa pobreza, uma vez que também queria testemunhar Jesus com todas as forças.

Ao ir para Marrocos, Antônio ficou tão doente que teve de voltar, mas providencialmente foi ao encontro do “Pobre de Assis”, o qual lhe autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho. Neste sentido, Santo Antônio não fez muito, pois seu maior destaque foi na vivência e pregação do Evangelho, o que era confirmado por muitos milagres, além de auxiliar no combate à Seita dos Cátaros e Albigenses, os quais isoladamente viviam uma falsa doutrina e pobreza. Santo Antônio serviu sua família franciscana através da ocupação de altos cargos de serviço na Ordem, isto até morrer com 36 anos para esta vida e entrar para a Vida Eterna.

Equipe PasCom